PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

segunda-feira,

14/10/2019

21:49

“Prós e Contras” não deu voz aos bombeiros

01/07/2019 10:26:52

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) não foi convidada a participar no programa da RTP “Prós e Contras”, sobre o Incêndio de Pedrógão de 2017, emitido no passado dia 17 de junho, atitude desrespeitosa para com os Bombeiros Portugueses, motivo para que ao tempo tenhamos lavrado o respectivo protesto.

Não se trata de reivindicar qualquer tipo de protagonismo mas tão somente o direito e a obrigação que nos assiste de participar, intervir e esclarecer os portugueses sobre tudo o que nos diga respeito, no caso, o combate aos incêndios florestais e o balanço das medidas a implementar no âmbito da prevenção estrutural da floresta portuguesa.

PROS-E-CONTRAS.jpg

A LBP lamenta não ter sido dada oportunidade à legítima representante dos bombeiros de expressar os pontos de vista destes sobre tudo o que importa para alterar o estado caótico em que se encontra a nossa floresta. A participação da LBP permitiria exercer o necessário contraditório, dando oportunidade aos portugueses de distinguir entre o que tem sido propalado em “defesa” da floresta e o que realmente tem sido ou não realizado.

Teríamos sido, por certo, incómodos, ao traçar o balanço da verdadeira realidade contra a falácia dos que dizem que fizeram e fazem, mas na verdade, nem fizeram nem fazem.

Ao não dar voz aos bombeiros a RTP não cumpriu a sua missão de serviço público e não demonstrou vontade de querer desenvolver o saudável e democrático confronto de ideias e posições que permitissem aos portugueses, por si só, tirar as devidas elações e conclusões sobre o que verdadeiramente foi feito e o que pomposamente tem sido anunciado.

Passados dois anos sobre a tragédia de Pedrógão Grande que enlutou o país, e a propósito da qual se pretendeu lançar culpas aos bombeiros, a sua representante, a LBP, entende mais uma vez demonstrar a sua solidariedade para com todas as vítimas e as suas famílias e para com todos os bombeiros vítimas da mesma ocorrência e que abnegadamente lutaram contra essa tragédia.

Durante várias décadas os Bombeiros foram alertando para o abandono e o desordenamento da floresta dando conta das crescentes dificuldades que estavam a sentir para debelar os incêndios que foram surgindo.

Ao tempo, repetidamente, os bombeiros advertiram que face ao cenário recorrente com que se estavam a confrontar, caso não fosse desencadeado um profundo e extensivo programa de prevenção, o combate seria cada vez mais difícil. Simultaneamente, ao longo de anos, os bombeiros foram cumprindo um programa de sensibilização das populações e das comunidades escolares também para o mesmo fim. A par disso, alertaram sucessiva e repetidamente os sucessivos Governos e os autarcas para o mesmo problema. Mas sempre que abordavam a questão perante essas autoridades, recorrentemente, eram confrontados com muitas declarações de intenções que, para não serem executadas e concluídas de imediato se escudavam nas mais variadas desculpas, inclusivé meras dificuldades de carácter burocrático e administrativo.

Em resumo, todos fizeram orelhas moucas aos sucessivos alertas dos bombeiros e, infelizmente, foi necessário que ocorresse uma tragédia para que os responsáveis acordassem para a realidade. Contudo, aos bombeiros, que precisamente tinham sido ao longo de anos a primeira e durante muito tempo a única voz de alerta a clamar no deserto para os riscos eminentes, e a quem quiseram no fim atribuir responsabilidades.

Se a LBP tivesse tido a oportunidade de participar, mais uma vez, teria lembrado e sublinhado o que tem sido o seu papel não só no que respeita ao combate, mas também nos caminhos a seguir no ordenamento do território florestal.

Nas questões da floresta, e em tantas outras, a postura da LBP foi sempre de contribuir para a solução e não para o problema. Mas aos poderes instituídos e a certas personagens essa atitude incomodou e incomoda sempre. São das mais variadas personagens, comentadores, estudiosos encartados e treinadores de bancada que, até em língua estrangeira, têm a pretensão de nos querer vir ensinar em Inglês aquilo que há muito lhes ensinámos em Português.

É preciso não ter vergonha para desrespeitar assim os Bombeiros Portugueses.

 

PUB