PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

quinta-feira,

22/08/2019

23:10

O Dia do Bombeiro e suas raízes

11/06/2019 10:41:40

                                                                                                     Pesquisa/Texto: Luís Miguel Baptista

HIST_1.jpgDurante muitos anos a data de 18 de Agosto foi consagrada como Dia do Bombeiro, assinalando a vitória dos bombeiros portugueses, sob o comando de Guilherme Gomes Fernandes, no Concurso Internacional de Bombeiros, realizado em Vincennes, perto de Paris, por ocasião da Exposição Universal de 1900, patente na capital francesa.

O Dia do Bombeiro ocorreu, pela primeira vez, a 18 de Agosto de 1923.
A efeméride manteve-se inalterável até 1986, ano no qual os representantes dos bombeiros portugueses, reunidos em congresso, decidiram transferir o Dia do Bombeiro para o último domingo do mês de Maio, associando a este o significado da data de 30 de Maio de 1932, que regista a aprovação dos primeiros estatutos da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), por portaria do Ministério do Interior, e o reconhecimento da existência legal da confederação.

HIST_2.jpgO facto de se ter generalizado o aumento exponencial da actividade dos "soldados da paz" na vertente dos incêndios florestais, penalizando a sua disponibilidade para as tradicionais celebrações do 18 de Agosto, motivou a mudança verificada no Dia do Bombeiro que, por outro lado, a partir de 1987 e de 2009, respectivamente, passou a denominar-se Dia Nacional do Bombeiro e Dia do Bombeiro Português.
O triunfo histórico era lembrado em todo o país, sendo organizados para o efeito, pelas associações e corpos de bombeiros, nas respectivas localidades, vários actos evocativos, tais como: romagens aos cemitérios; celebrações litúrgicas; desfiles; bênção e inauguração de novas viaturas; simulacros; sessões solenes; entrega de condecorações; e promoção de novos bombeiros.
Hoje, a data está praticamente esquecida no calendário dos bombeiros portugueses.

30 de Maio

HIST_3.jpgQuando do surgimento da LBP, perante a adesão e confiança dos bombeiros portugueses e o apoio do poder político, a respectiva Comissão Executiva desencadeou desde logo várias acções, em consequência das resoluções emanadas do Congresso fundacional reunido no Estoril, de 16 a 18 de Agosto de 1930. Assim, aconteceu, como por exemplo, com a redacção dos primeiros estatutos, aprovados no I Congresso Nacional dos Bombeiros Portugueses, realizado em Setúbal, entre 21 e 23 de Novembro de 1931.

Coroando de êxito os trabalhos da reunião magna, em menos de um ano, a 30 de Maio de 1932, uma portaria do Ministério do Interior, assinada pelo Ministro Mário Pais de Sousa, veio a reconhecer a legalidade do quadro estatutário da Confederação. Este facto não só proporcionou a consolidação do projecto iniciado no Estoril como abriu novas perspectivas à afirmação da Liga dos Bombeiros Portugueses, nomeadamente, na sensibilização do poder político para o acolhimento das legítimas aspirações do sector.

De sublinhar que, em consequência da oficialização dos estatutos, foram eleitos, na Covilhã, por altura do III Congresso, ali reunido de 21 a 25 de Julho de 1932, os primeiros corpos gerentes. Nesta ocasião, tornou-se Presidente do Conselho Administrativo e Técnico (CAT), designação adoptada para identificar o órgão de direcção, o Tenente António Vitorino França Borges. A sua acção à frente dos destinos da LBP deixou profundas marcas positivas. Durante o processo de legalização e perante o poder político, viu-se obrigado a empenhar a honra de militar, como garantia de que a instituição não tinha qualquer outro tipo de pretensão senão a defesa dos superiores interesses dos bombeiros portugueses.

Ainda a propósito

HIST_4.jpgHIST_5.jpg
















Por ocasião do V Congresso Nacional dos Bombeiros Portugueses, realizado em Espinho, entre 9 e 13 de Julho, o Governo conferiu à LBP a Ordem de Benemerência, “em reconhecimento da acção (…) desenvolvida pelo progresso dos Bombeiros de Portugal e, consequentemente, pelo bem da Humanidade”. A imposição da condecoração no respectivo estandarte, efectuada pelo Ministro do Interior, Mário Pais de Sousa, deu-se no momento do desfile dos Corpos de Bombeiros representados no Congresso. A cerimónia foi assim descrita no então Boletim da Confederação:

“Quando o estandarte da Liga chegou diante da Tribuna, o cortejo fez uma pequena paragem e Sua Ex.ª o Ministro do Interior apoz no referido estandarte as insígnias de Comendador da Ordem de Benemerência, manifestando a satisfação com que o fazia, tanto mais que tinha tido a honra de aprovar os estatutos da Liga dos Bombeiros Portugueses. Depois distinguiu com expressões de reconhecimento os delegados francês e belga, no peito dos quais colocou a medalha Comemorativa dos Congressos, felicitando os Corpos Gerentes da Liga pelo brilhantismo e disciplina que observou no belo cortejo a que assistiu, o que iria comunicar a Sua Excelência o Presidente do Conselho.” 

HIST_6.jpg

                                                                                       Artigo escrito de acordo com a antiga ortografia

                                                                                                                                 Site do NHPM da LBP:

                                                                                     www.lbpmemoria.wix.com/nucleomuseologico

 

Legendas das imagens:

1 – Cartaz do Concurso Internacional de Bombeiros – Paris, 1900

2 – Guilherme Gomes Fernandes e a equipa vitoriosa

3 – Celebração do primeiro Dia do Bombeiro – Lisboa, 1923

4 – Projecto de Estatutos da LBP – 1932

5 – Imposição da Ordem de Benemerência – Espinho, 1936

6 – Dia Nacional do Bombeiro – Vila Real de Santo António, 1999

 

 

PUB