PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

sexta-feira,

25/05/2018

08:00

MASSEY SHAW, DOS BOMBEIROS DE LONDRES

11/05/2018 16:40:46

Ilustre visitou Lisboa em 1877

 

 

Pesquisa/Texto: Luís Miguel Baptista

 

NHPM2.jpg

A distinta figura retratada, o capitão Sir Eyre Massey Shaw (1830-1908), esteve de visita a Portugal em 1877.

No dia 1 de Abril daquele ano assistiu a "um notável exercício e revista" do Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa (CBML), realizado no Rossio, na Praça D. Pedro IV.

Em sua homenagem foi servido um banquete.

Responsável máximo pela Metropolitan Fire Brigade (MFB), antecessora da London Fire Brigade, enquanto titular do cargo de superintendente, granjeou grande fama devido às inovações que introduziu no serviço de incêndios, tal como as célebres bombas a vapor e o recurso ao telégrafo para, sempre que necessário e com celeridade, ser lançado o alarme às várias estações dispersas pela cidade que se encontravam sob o seu comando.

NHPM3.jpg

Acérrimo defensor da aturada preparação técnica do bombeiro para fazer frente às incidências da química do fogo, que então se tornavam cada vez mais presentes e complexas devido a mudanças operadas pela revolução industrial, dedicou-se também ao estudo de medidas de protecção, nomeadamente em teatros, onde era frequente a ocorrência de incêndios.

Sensível aos aspectos da protecção individual, sobretudo, no teatro de operações, implementou o uso do aparelho respiratório, que ao tempo se tratava de um modelo rudimentar e pouco fiável, impedindo, porém, a inalação de fumo. Tanto quanto conseguimos apurar, a fragilidade daquele equipamento residia, especialmente, na tubagem que transportava o ar a partir de uma bomba com filtro, cujo material de fabrico parecia ser frágil e, como tal, vulnerável ao corte ou a outros danos acidentais.

Considerado como sendo um "pensador influente no combate a incêndios", ficou também conhecido pela aprovação dos capacetes de bronze.



Boa exibição dos bombeiros de Lisboa
perante referência britânica

Amigo pessoal do príncipe de Gales (Albert Edward), mais tarde Eduardo VII, sabe-se que o capitão "muito admirou a destreza do pessoal e a excelente execução de todas as manobras" do CBML.

Segundo referência cronológica publicada no “Boletim da Liga dos Bombeiros Portugueses”, o exercício - um simulacro de incêndio envolvendo três edifícios, localizados na zona ocidental da grande praça - contou também com a participação da Companhia de Bombeiros Voluntários, posteriormente designada por Real Associação dos Bombeiros Voluntários de Lisboa, ao tempo comandada pelo célebre Guilherme Cossoul, pioneiro do voluntariado nos bombeiros em Portugal.

NHPM1.jpg

Reza a história que "o tema foi desenvolvido com a maior precisão, tanto no salvamento de vidas, como no ataque ao fogo". 

O inspector Carlos José Barreiros, responsável pela reforma do serviço de incêndios da capital (aquisição das primeiras bombas a vapor, medidas legislativas criando a obrigação dos proprietários instalarem bocas de incêndio nos respectivos prédios e construção da famosa escada "Fernandes", percursora da "Magirus", entre outros melhoramentos), dirigiu os trabalhos, sendo "muito felicitado".

O público acorreu em massa, aplaudindo os bombeiros entusiasticamente.

Desconhecemos a razão que terá motivado a presença, em Lisboa, do capitão Sir Eyre Massey Shaw. Contudo, é muito possível que a mesma tivesse decorrido de um convite da Câmara Municipal, no contexto da referida reforma promovida por Carlos José Barreiros, a fim da identificação com as medidas de vanguarda implementadas na MFB, visando a sua adopção e/ou adaptação ao nível do Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa. Seja como for, uma coisa é certa, a velha aliança luso-britânica repercutiu-se no contacto estabelecido entre responsáveis pelos bombeiros de Portugal e da Inglaterra.

Nesse tempo, o efectivo do CBML era constituído por 1 inspector, 2 ajudantes, 5 chefes de companhia, 110 bombeiros e cerca de 500 sotas e condutores.

Em termos de material, o mesmo Corpo de Bombeiros dispunha de 38 viaturas, entre as quais 2 bombas a vapor, 2 carros de escadas, 17 bombas de caldeira, 10 carros de mangueiras e 7 carros de escadas de lanços.

Ainda acerca de Massey Shaw, aposentou-se em 1891, com 30 anos de serviço, por discordar das alterações de ordem administrativa que, no ano de 1889, colocaram a Metropolitan Fire Brigade sob a jurisdição do recém-criado London County Council e esvaziaram de poder as suas funções.

 

Artigo escrito de acordo com a antiga ortografia

Site do NHPM da LBP:

www.lbpmemoria.wix.com/nucleomuseologico 


 

PUB