PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

quinta-feira,

22/11/2018

11:41

Empresários de Portugal não esqueçam os bombeiros

05/11/2018 12:19:26

jornal2018.jpg

As decisões do Conselho de Ministros em matéria de proteção civil, recentemente anunciadas, não deixaram indiferentes os bombeiros, sobretudo aqueles que a título voluntário servem a causa. Na verdade, embora poucos acreditem que o justo reconhecimento algum dia chegará, é no mínimo acintoso que o Estado lhes acenar com entradas gratuitas em museus. Embora o “Decreto-lei que procede ao reforço do quadro de benefícios a atribuir aos bombeiros voluntários portugueses” não seja integralmente conhecido, certo é que, pelo menos, o comunicado foi infeliz no destaque dado a uma benesse, benefício ou regalia que ninguém crê, seriamente, sirva para despertar vocações ou chamar reforços para as fileiras deste exército de paz, que a tutela afirma e reitera ser “a coluna vertebral”, a “espinha dorsal”, “o pilar” ou “principal agente da proteção civil”.

Quando operacionais e dirigentes fazem, todos os dias, “das tripas coração” para que nada falhe no socorro às populações, para que sejam garantidos os meios, os equipamentos e formação que permitam aos bombeiros servir mais e melhor as suas comunidades e o País, estes anúncios avulsos mascarados de reformas só podem criar desalento.

Felizmente, são muitas as associações, enquanto detentoras de corpos de bombeiros, que podem contar com o apoio responsável das autarquias, mas também de empresas e até de alguns benfeitores, que, de alguma forma, ajudam a mitigar dificuldades várias.

Nesta edição damos conta do exemplo de António Fonseca, um ex-bombeiro emigrado na Suíça e que muito equipamento tem angariado para os bombeiros de Trancoso, a sua terra natal. Revelamos nesta edição que, ainda há poucos dias, entregou neste quartel 14 viaturas seminovas que, certamente, vão permitir reforçar e melhorar a capacidade operacional não apenas deste corpo de bombeiros do distrito da Guarda mas de vários outros do País, até porque a solidariedade está no ADN desta enorme e unida família,

Também nesta edição de outubro damos a conhecer o exemplo de Paulo Santos, administrador do Grupo JS, instalado, há dois anos, no concelho de Oliveira de Azeméis e que muito tem colaborado com bombeiros deste município mas, também, de vários outros pontos do País, nomeadamente na aquisição de viaturas. O empresário fala “no orgulho e no prazer”, de em pouco tempo já de ter dado o seu contributo aos Voluntários de Fajões, Pataias, Oliveira de Azeméis e São João da Madeira, entre vários outros.

Recentemente, os Voluntários de Fajões homenagearam, publicamente,  o benemérito, que numa breve mas emotiva alocução falou do que o liga à causa. Do púlpito instalado nesta localidade do distrito de Aveiro pediu ao Portugal empresarial apoios para os bombeiros de todo o País:

“Porque este é de facto o maior exército da paz e da vida, a defesa de todos os portugueses. Empresários de Portugal não se esqueçam dos bombeiros. Apoiar quem está 24 horas sempre pronto para nos ajudar não é uma obrigação é antes um dever de todos. Para estarem sempre disponíveis estas mulheres e homens deixam os filhos, as mulheres, os seus entes queridos e isso não podemos nunca esquecer. Bem hajam os bombeiros voluntários de Portugal”.

Fica o exemplo e o repto.


Sofia Ribeiro

PUB