PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

sexta-feira,

20/07/2018

16:54

Ao serviço dos “bombeiros das cinco quinas”

05/07/2018 15:05:49

 há 36 anos

 

Data de 10 de junho 1982 a primeira edição do jornal Bombeiros de Portugal. O então trimensário tinha como diretor o Padre Vítor Melícias, uma figura incontornável do setor, na época também presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses e, ontem como hoje um militante inflexível da causa e defensor implacável deste exército de paz.

JORNALBPjunho.jpgCumprem-se assim 36 anos de existência deste periódico que mantém intacto o objeto e os objetivos traçados e a “inequívoca determinação” dos fundadores “de levarem por diante o sonho de modernidade dos bombeiros portugueses, na base da participação de todos”, porque, também no presente, esta é uma “arrancada que a todos pertencente”.

O desafio lançado ao setor há mais de três décadas renova-se, agora, mensalmente, edição após edição, com ânimo redobrado e energia reforçada pela crescente participação e colaboração das associações e corpos de bombeiros, que tanto valor acrescentam a este projeto.

Muito coisa mudou nos últimos anos no setor, os paradigmas, as necessidades, as exigências e até o perfil de dirigentes e operacionais, contudo a raça, a entrega e coragem, o altruísmo, o humanismo e a solidariedade permanecem como valores inatos dos “bombeiros da cinco quinas” a quem o diretor fundador entrega este projeto, que logo na génese se assumiu como “porta-voz”  das mulheres e dos homens que, nas mais variados situações, por todo o País – continente e ilhas –   continuam a escrever e a dignificar uma história com mais de 600 anos.

A capa dessa primeira edição, em editorial, dá conta de ventos de mudança de “novas esperanças” e a construção “novos caminhos”, como que confirmando o dinamismo de um setor aberto à renovação, adaptável às constantes atualizações da realidade, sempre em prontidão para responder aos mais exigentes desafios.

Refira-se que, em 1982 a, então recente, instalação do Serviço Nacional de Bombeiros parecia abrir caminhos de futuro. contudo essa estrutura acabou por cair dando lugar a outros organismos que não respondem nem às reivindicações do setor, nem satisfazem as necessidades do País. Volvidos quase quatro décadas, a confederação mantém a luta pela autonomia batendo-se em todas as frentes pela criação e implementação de uma Direção Nacional de Bombeiros independente e com orçamento próprio, provando que de facto a resiliência é uma característica entranhada e identitária dos bombeiros de Portugal.

Destas e outras “guerras” se faz também a história deste jornal que, ao longo dos anos, com o apoio de órgãos sociais da Liga dos Bombeiros Portugueses e o pelo timbre de vários diretores e colaboradores, mantém o compromisso de dar a conhecer o país dos bombeiros, contribuindo para o tratamento e análise de todos os temas que importam, apostando tudo na divulgação das múltiplas atividades das associações humanitárias e corpos de bombeiros, revelando o rosto e dando voz às mulheres e homens que mantém viva a causa.

À pequena equipa que, mensalmente, assume a edição do jornal Bombeiros de Portugal resta o enorme orgulho em merecer a simpatia e o afeto desta grandiosa família.

Que venham mais 36, sendo certo que outros darão o rosto pelo projeto. Nós apenas podemos prometer voltar já em julho, com o redobrado empenho em fazer mais e melhor.

 

Sofia Ribeiro

PUB