PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

sábado,

07/12/2019

18:36

BOMBEIROS DE PORTUGAL

Marcha pelo fim da violência contra as mulheres

26/11/2019 16:15:29

AJUDA_MARCHA.jpg

Os bombeiros portugueses fizeram questão de se associar à Marcha pelo Fim da Violência contra as Mulheres que se realizou ontem, dia 25 de novembro, em Lisboa, no âmbito do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres. Em representação dos soldados da paz estiveram os Voluntários da Ajuda, lado a lado com o ministro Eduardo Cabrita e a secretária de Estado, Patrícia Gaspar, várias outras figuras políticas e da sociedade portuguesa e centenas de anónimos, todos unidos no firme propósito de dizer não a um crime que, só em 2019, e o ano ainda não acabou, roubou a vida a 25 mulheres.

O combate à violência doméstica é, declaradamente, uma das prioridades deste Governo, sendo considerado uma “absoluta prioridade” para o Ministério da Administração Interna, que tem vindo a reforçar as campanhas de sensibilização, a incrementar a coordenação entre todas as entidades, a aumentar a capacidade de resposta por parte das Forças de Segurança – nomeadamente através da aposta em ações de formação das mulheres e homens da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Polícia de Segurança Pública (PSP) para que estejam “cada vez mais preparados para receber, enquadrar, tratar e acompanhar situações de violência doméstica, melhorando ainda a rede de salas de atendimento às vítimas”.

Em comunicado o MAI dá conta de 52​ a ações de formação sobre violência doméstica nas forças de segurança, em 2019, “número que mais do que duplica as registadas em todo o ano 2018, que terminou com um total de 24 ações promovidas pela GNR e PSP”.

413.jpg

Na mesma nota à comunicação social o ministério Eduardo Cabrita regista a  aposta “na expansão e melhoria da rede de salas de atendimento às vítimas de violência doméstica, garantindo, através da Lei de Programação de Infraestruturas e Equipamentos das Forças e Serviços de Segurança, que todas as intervenções de reabilitação ou construção de novos postos da GNR e esquadras da PSP incluem uma sala de atendimento à vítima”, adiantando que, presentemente, “63 porcento dos postos e esquadras já têm esta valência”. 

PUB