PUB

Capa do jornal "Bombeiros de Portugal"

Director: Rui Rama da Silva

segunda-feira,

22/10/2018

13:22

Os nossos merecem tudo

08/06/2018 11:32:17


Estive em Portel a ver os nossos de Castanheira de Pera e do Pedrógão Grande a receber o Prémio Bombeiro de Mérito. Foi uma festa bonita e comovente. Só tive pena que os jornais e as televisões não tenham dado o devido destaque apesar de convidados e de terem estado até presentes.

Não é todos os dias que se festejam os nossos maiores, o falecido Gonçalo Conceição, que apesar de ferido foi sempre defendendo que antes de o tratarem deviam cuidar dos outros. Grande Homem, Grande Bombeiro que se junta aos outros que estão lá longe mas que estou certo vão olhando por nós.

Lembro aqui também os outros, pelo gesto de defenderem sempre em primeiro lugar os outros. O Rosinha, a Filipa, o Chefe Tomé e o filho Fernando, o Sérgio de Pedrógão, todos eles merecem respeito e reconhecimento de todos nós e do País.

Desejo-lhes sinceras melhoras porque ainda têm sequelas que resultaram da sua abnegação e espírito de sacrifício.

Um abraço para o Rosinha, grande alma e determinação por ter decidido receber o prémio em pé sabe-se lá com que esforço.

Mas acho que tudo o que ali se passou deveria ter merecido da comunicação social mais respeito e atenção. E se lá estiveram todos chamados pela nossa Liga não percebo por que não deram destaque ao que viram.

Gostei de ver o emigrante do Mali ver reconhecido em França o seu gesto de salvar de morte certa uma criança que estava pendurada na varanda. Lá, viu o seu processo de legalização concluído, foi recebido pelo Presidente francês e até arranjou emprego nos Bombeiros de Paris. Todos o vimos na comunicação social. Pergunta: quantos dos nossos, bombeiros, em Portugal são autores de gestos tão abnegados e arriscados como este e afinal não merecem tanto relevo na comunicação social?

Agora vou falar sobre outra questão que me baralhou a cabeça. Foi ver anunciado que os peritos estrangeiros vão coordenar em Portugal os meios aéreos de combate aos incêndios florestais. O que sabem mais que nós para isso? Não se esqueçam que nos anos 90, e eu bem os vi por aqui, estiveram em Portugal peritos espanhóis para aprender como fazíamos. Será que aprenderam tudo e já sabem mais ou fomos nós que desaprendemos tudo? Acho, tenho a certeza, que nem é uma coisa nem outra.

PUB